Paços de Ferreira 2 - 2 SCBraga (Crónica)
Um balde de água fria foi derramado numa Curva entusiasta, crente e que aderiu em massa a mais uma batalha no campeonato Português. Três jogos em nove dias e mais uma excelente moldura humana, irredutível e pronta para apoiar o Braga até às últimas consequências. A equipa entrou bem. Jogou, deu a jogar e foi gerindo o tempo consoante as suas aspirações. O golo, ainda nos primeiros minutos da partida, só veio ajudar a uma melhor gestão. Na segunda metade surgiu a habitual substituição e o jogo corria pelo melhor. Feito o segundo golo, tudo faria prever que a vitória estava assegurada e que só uma catástrofe iria fazer-nos perder pontos na Mata Real. Engane-se quem pensou assim. É incompreensível como a equipa deixou de acreditar que um resultado negativo não iria assombrar a casa. É inacreditável a forma como a equipa desistiu do jogo e permitiu que o Paços avançasse a "passo e passo", ininterruptamente, caminhando no terreno sem que houvesse a inteligência de colocar pelo menos mais um elemento defensivo (o que não seria vergonha, pois as grandes equipas para vencer também tem que defender) ou uma "força explosiva" que impulsionasse a equipa e revolucionasse o jogo. E o Braga perdeu pontos principalmente por estes aspectos. Posto isto, não é momento para críticas, pois os verdadeiros adeptos sabem atenuar momentos menos bons e este jogo não será excepção. Há mais batalhas pela frente e só desiste quem não tem fé e confiança na sua equipa. A Naval 1º de Maio é a próxima. De que estás à espera? Junta as tropas, mobiliza as massas. Apoia, vibra, dignifica o símbolo e faz tremer as bancadas do AXA.
Reacções: 
  • PESQUISA

    ARQUIVO

    SEGUIDORES